Junho 10 2008

Vã Filosofia - Diário

23/08/2007 13h59
Vã Filosofia


Ás vezes fazemos por acreditar que estarmos sozinhos em demasia é fulcral e demonstra fortaleza, por outro lado uma opção de independência, mas o facto é que isso não acontece todos os dias... E se pensarmos um pouco, não poderia ser diferente. Se fosse vulgar, trivial, quotidiano, não seria tão transformador, não seria tão especial, e o que realmente caracteriza é não querermos esperar, não querermos aprender a lidar com a tristeza, com o vazio, com a solidão, sobretudo, aprender com todos os sentimentos que do  tempo  que passamos a sós, de maneira a estarmos intrinsecamente voltados para o interior, e isto de certeza emana um aprendizado,  nem sequer  permitimos descobrir o quanto pode ser bom ficar sozinho de vez em quando., isto porque entramos numa coação exagerada, destrutiva, deitando abaixo a  auto-estima, desta forma somos oprimidos por uma cobrança interna que tira de certa maneira o senso crítico, o  bom-senso e a capacidade de fazer escolhas. Dando demasiado valor ao ditado: "o que vier é lucro", algo corriqueiro que mais é que uma justificação infrutífera, mas com o tempo apercebemo nos que o preço a pagar por escolhas errôneas, e ou mal feitas é alto demais. Relações que não acrescentam nos, pelo contrário, servem para causar cáos ainda mais os nossos dias e aumentar a sensação de frustração e de incompetência emocional. ‘engolimos as situações’, numa tentativa desesperada de acabar com a solidão...
Por que acreditar que a solidão é algo tão ruim?
Será mesmo que nada aprendemos com prazer enquanto estamos descomprometidos?
Será que é possível apaixonar se a cada 15 dias ou assim que acaba uma relação?
Será que é produtivo entrar em  uma outra relação sem ter tempo sequer de  questionar  o verdadeiros desejos e anseios?
Penso que é somente quando caímos na real situação de maneira analítica, entendemos que estar com alguém e, principalmente, apaixonar-se e sentir-se feliz são conseqüências de uma harmonia interna, porque somos seres genuinamente sós e que o outro é um presente a ser compartilhado e não uma necessidade dolorida, desesperada, insana... Nem devemos considerar que alguém seja para nós um complemento.... Somente depois de percebermos tudo e conseguirmos ver nos em frente e verso, sendo assim poderemos experimentar relações mais leves,  mais maduras ou optamos por ficarmos sós o importante é sentirmo nos bem.
A espera e a busca sempre causa nostalgia em meio a uma sensação de tristeza, mas devemos apenas respeitar o ritmo dos corações que são distintos,  porque  então conseguiremos  uma relação apaixonada e esta  somente acontece quando realmente tem espaço o devido espaço...



Publicado por Carolzita em 23/08/2007 às 13h59
Carolzita
publicado por simplesmentedetalhes às 15:26

mais sobre mim
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar
 
blogs SAPO